Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

Viver com Alzheimer de Jose Luis Molinuevo (Opinião)

Milheiras, 21.09.16

A minha opinião:

Este livro é fantástico, escrito por um médico com uma linguagem simples acessível, desmistifica muito a doença de Alzheimer, toda a gente devia ler este livro mesmo que não tenho relação com nenhum doente. Também a mim me fez compreender a doença, claro que despertou a minha curiosidade em ler outros livros com perspectivas diferentes sobre o tema. Mas sem dúvida que é um livro ao qual vou recorrer muitas vezes.

 

Excerto:

" Como mencionámos previamente, a memória episódica (recente) costuma ser afectada numa fase inicial, enquanto a memória longo prazo (remota) se conserva até fases mais avançadas da doença. Em fases mais avançadas da doença surgem outros sintomas, como a dificuldade de orientação em lugares familiares, os problemas como manuseamento de dinheiro ou de instrumentos domésticos como o telefone ou a máquina de lavar roupa, a dificuldade em ler e escrever ou em reconhecer caras familiares. Estes sintomas reflectem a afectação de outros domínios cognitivos, como a orientação, a capacidade motora, a linguagem e o reconhecimento. " pp17

 

" Primeiro são as actividades mais complexas, como as relações sociais ou a actividade laboral, que se vêem afectadas, e depois seguem-se as actividades instrumentais, como o manuseamento de objectos domésticos, de dinheiro, de utensílios de cozinha e da lida doméstica. Finalmente, são as actividades básicas do quotidiano  ser afectadas, como a higiene, o vestir, a alimentação e o controlo dos esfíncteres. "pp18

 

"Um exemplo de memória implícita é a aprendizagem das habilidades motoras: por exemplo, andar de bicicleta. (...) Esta memória não costuma a ser afectada pelo Alzheimer, (...)." pp 20

 

"Apesar de, em 90 porcento dos casos, o Alzheimer se manifestar inicialmente com um problema de memória, existem outros padrões menos conhecidos e habituai. Há pessoas, por exemplo, que vã perdendo a visão. Nestes casos, a experiência da cuidadora costuma ser desconcertante quando conhece o diagnóstico, visto habitualmente é preciso cumprir uma longa peregrinação por oculista, oftalmologistas até chegar ao neurologista que finalmente diagnostica aquilo que tecnicamente se designa como atrofia cortical posterior, afectação fundamental das áreas posteriores da região parietal-occipital que também é uma manifestação da doença." pp 23

 

" A mente refugia-se num sistema confortável que nos faz sentir eternos, que nos faz esquecer os aspectos relacionados com a morte e a fragilidade da nossa existência. Isto tranquiliza-nos e faz-nos pensar que temos tempo para fazer tudo aquilo que queremos fazer. Mas o que a realidade nos diz, por seu lado, é algo radicalmente diferente: se estamos convictos e queremos algo na vida, temos de o fazer já, porque a única coisa que temos é  presente." pp 35

 

" O amor que estamos a falar é o amor de entrega incondicional, de entrega pura, de entrega inerente ao ser humano, um amor que nos faz sentir que somos todos o mesmo. Assim, este é o amor que está sempre presente e , de facto, se nos relaxarmos e aceitarmos naturalmente o processo, o amor flui. Os pacientes serão sempre capazes de detectar as pessoas que lhe são queridas, mesmo em fases em que tenham perdido completamente a capacidade de reconhecer quem são. Aliás, podem mesmo não saber concretamente de quem se trata, mas sentem que essa pessoa lhes é próxima, querida e amada. Esse amor pode manifestar-se simplesmente através do olhar."pp 126

 

Título: Viver com Alzheimer
O amor não se esquece
Autor: Jose Luis Molinuevo

 

Edição/reimpressão:
Páginas: 168
Editor: Pergaminho
ISBN: 9789896871895

 

Sinopse

Este livro destina-se a servir de apoio a todas as pessoas que têm a seu cuidado familiares ou entes queridos que padecem da doença de Alzheimer. Ou seja, é uma obra destinada a todos aqueles que estão a viver um «luto em vida»: um luto, devido à sensação constante de perda que a progressão da doença causa; e «vivo» porque implica cuidar de uma pessoa que está em constante mudança.
A relação entre o paciente e o prestador de cuidados é sempre complexa e de difícil equilíbrio; quando o prestador de cuidados é um familiar, esta complexidade torna-se ainda maior. Viver com Alzheimer ajuda a compreender esta dinâmica e a criar uma relação mais equilibrada, potenciando as vantagens da intimidade criada entre ambos e ajudando a proteger a sua vulnerabilidade.
Ao longo destas páginas, encontrará esclarecimentos práticos e acessíveis acerca da natureza, da sintomatologia e da progressão da doença de Alzheimer. Este conhecimento permitir-lhe-á fazer uma gestão mais adequada das suas expectativas, comunicar de forma mais eficaz tanto com a pessoa afetada pela doença como com os restantes familiares ou amigos e, sobretudo, adquirir ferramentas para se adaptar da melhor maneira possível a uma realidade em constante mudança.

 

Terminei de de ler a 29-09-2015

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.