Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

Mar Cantero Sanchez (Biografia)

Milheiras, 11.08.20

Mar Cantero Sanchez nasceu em Madrid e, desde muito cedo, abraçou a sua paixão pela escrita. 

Mar Cantero Sánchez

É coach de criatividade, diretora da revista Cé Chic e colunista em várias revistas espanholas, como a Cosmopolitan ou a Objetivo Bienestar.

Acredita que o romantismo e a autoajuda devem andar juntos, já que, no amor, todos temos sempre algo para melhorar.

Saiba mais sobre a autora em www.marcanterosanchez.com

Outras obras da autora:

Escribe para ser feliz: La escritura, una genial herramienta de auto ayuda

Los mares del alba

El tatuaje: Podría pasarte a ti

Viajera de la felicidad: Volume 1

Las chicas del Club de Belly Dance (Romantic Ediciones): Una reality novela

Arbol de los pajaros alegres: Volume 1

RelacionArte: Una actividad de riesgo

 

 

 

Sejam Felizes! de José Ceitil (Opinião)

Milheiras, 08.04.20
A minha opinião:
Um livro relativamente pequeno que eu demorei uns longos meses a ler 5 ou 6 talvez que esteve na minha estante mais de 5 anos sem lhe pegar.  Adorei sem dúvida um dos eleitos como melhor livro para mim e para eventualmente voltar a ler. Que delicia de livro!
 
O autor explicou assim esta obra:
"Este é um ensaio que não pretende ser mais do que um escrito ligeiro e despretensioso sobre alguns temas que influenciam decisivamente a forma e a qualidade de vida de cada um de nós. O livro está dividido em capítulos que tratam das relações entre pais e filhos, da importância que as heranças, a história e a geografia, têm na formação do carácter e da identidade, passando pela amizade, o amor, as viagens, e a luta contra os medos e as dependências várias que nos atormentam, terminando numa visão desapiedada das religiões e política."
 
 
Excertos:
 
"Da vida ninguém sabe o suficiente para afirmar com segurança e absoluta certeza o que é preciso fazer para a viver bem, e deve ser por essa razão que não se vê gente séria a dar conselhos ou a falar de cátedra sobre o assunto e muito menos a passar receitas infalíveis e milagrosas que tal permitam." p.p. 9
 
" O trabalho dessas pessoas, a principio estranhas, que passam a maior parte do dia connosco, é de grande importância e vai-nos acompanhar para o bem e para o mal +ara o resto da vida. Mas o contributo fundamental para a nossa formação, é que vai determinante no tipo de pessoa que vamos ser, vem dos nossos pais." p.p. 14
 
" Controlar a vida significa sermos senhores de nós e da nossa vontade, do nosso tempo e de tudo o que por direito nos pertence, incluindo a ambição, a independência e a liberdade." p.p.25
 
" Temos a obrigação de ser solidários com aqueles que não têm meios de se valer a  si próprios.
A responsabilidade social do Estado não impede a responsabilidade pessoal dos individuos. Se cada um fizer isso, se conseguir fugir a preconceitos e a estigmas alimentados por chauvinismos e outros sintomas de intolerância, o nosso bairro e a nossa terra podem tornar-se melhores lugares para se viver." p.p. 136
 
 
Wook.pt - Sejam Felizes!
 
Título: Sejam Felizes!
Autor: José Ceitil
Edição/reimpressão:2008
Páginas: 152
Editor: Tecto de Nuvens
ISBN: 9789899571655
 
 
Sinopse
Sejam Felizes! - É o desafio que o autor faz. A experiência de 60 anos de vida e um olhar atento e perspicaz sobre o que nos rodeia, levam-no a reflectir sobre o que nos rodeia. O resultado dessas observações traduz-se num texto que não pretende ser paternalista, mas apenas uma reflexão sobre a vida, que o autor quer partilhar com os mais jovens, sob a forma de um conjunto de conselhos organizados por temas.
 
Finalizada a leitura em 30-09-2015

Não há Seda nas Lembranças de Jorge Serafim (Opinião)

Milheiras, 07.04.20

Iniciei  a leitura em Agosto de 2015 e terminei no início de Setembro de 2015

A minha opinião:

Este foi sem dúvida um livro que foi um murro no estômago. Uma obra fascinante!!!

De um autor que nos dá sempre o seu lado mais comediante...

Depois presentea-nos com uma obra como esta, inesquecível, dura , mas ao mesmo tempo tão realista...

Um dos melhores livros que li em toda a minha vida...

Excertos:

(...) Cá para mim, esta guerra parece-me igual a todas as outras. Os que têm contra os que não têm! Os que podem ter contra os que também querem ter. Os que mandam em tudo contra os que não mandam nada. Os que querem mais contra os que têm de menos. Os de barriga cheia contrs os de barriga vazia. Não me estão a dar novidade nenhuma...Portanto, cá se vai andando com a ganância ente orelhas.(...) pp. 67

(...) Extiguiram as ordens religiosas e nacionalizaram os seus bens enquanto uma certa burguesia endinheirada, canalhas mais propriamente, apoiante da causa liberal, se apropriou de muito do património vendido ao desbarato pela Fazenda Pública. (...) Manipulam-se as populações anónimas e humildes para confrontos que se perderam dos ideais nas barrigas dos avaros e sobram ódios e vinganças cruentas que atravessam gerações. (...) pp. 74

(...) O que eles argumentam, filho, é que não se pode parar o progresso. E o progresso para essa gente sem respeito por coisa alguma é alargar ruas, desembocá-las em avenidas imaginadas, ordenar espaço para as máquinas circularem em vez de pessoas, projectar o futuro por cima de tudo e de todos, precaver a solidez financeira. Perspectivam mas não ouvem!.. E tudo o que se atrevessou à sua frente, foi abaixo! É isto o progresso, dizem eles... (...) pp.78

(...) A história repete-se, as pessoas quando não têm esperança, desfazem-se de tudo para que a salvação das almas seja bem encomendada. A manutenção dos medos dá muito dinheiro... pp. 131

(...) A vida é como um relógio, amiga. Se não lhe limpar as impurezas, se não se olear os seus mecanismos, se não se lhe der corda, emperra. Obstrui-se. Nem a dor desagua nem a alegria tem caudal. Foi o que lhe sucedeu.. pp. 135

 

(...) O Ciclo da terra deveria ser o ciclo dos homens! (...) pp. 146

Título: Não há Seda nas Lembranças

Autor: Jorge Serafim

Edição/reimpressão: 2014

Páginas: 168

Editor: Âncora Editora

ISBN: 9789727804740

Coleção: Holograma

 

 

Por Acaso - Casos de Vida, Casos de Morte de Lara Morgado (Opinião)

Milheiras, 29.01.18
 Opinião:
 
Como já vem sendo habitual com esta autora (Lara Morgado), demoro um dia a ler os seus livros, esta é a 2ª obra que leio dela. O Sete Minutos, foi uma obra que me fascinou tal como este Por Acaso. Continuo a achar que é necessário ter uma mente aberta para compreender os livros de Lara Morgado.
Este Por Acaso, tocou particularmente e mais uma vez voltei a ter a confirmação que os livros na minha vida não aparecem por acaso... Tinha perdido um amigo para o suicido, nem à 8 dias. E no ano passado também tive a noticia de um aborto retido. Fez-me lembrar o livro "Responde-me" de Susanna Tamaro
 
Excertos:
"«Pode ser que se tenha enganado», pensou, sentindo o coração assustadoramente acelerado."
(...)
" Eles sabiam lá aquilo que ela estava a sentir." pp36
 
(...)"É curioso pensar que o futuro é aquilo que nos levanta, aquilo que nos faz avançar , ter pressa ou preguiça, mas o futuro não é a vida, é só a sua suspeita, por isso, temos de nos contentar com o presente para viver.
E eles sabiam tão bem disso agora, a viver este presente, que não deixa que o futuro os salve. " pp38
 
É engraçado como qualquer existência ocupa lugar, mesmo antes de nascer. Isto de existir tem muito que se lhe diga. Quando começamos a ser o que somos? Qual foi o segundo em que a nossa identidade apareceu? Quando entramos na escola primária? No segundo dia de vida? Quando fizemos 18 anos? Quando respiramos pela primeira vez? Quando compramos casa? Aos 4 meses de gestação? Como é que raio isto funciona? "pp39
 
 
(...)"Tudo se desenrola como um parto normal, as dores, as contracções, tudo, com a devastadora diferença de não haver recompensa." (...) pp40
 
(...) " Mas aqui as dores estavam por todo o lado e eram apenas um meio de mostrar a morte." pp41
 
 
"Todos os caminhos são únicos. E é o nosso caminho que faz a nossa identidade. E a nossa identidade é sem dúvida aquilo que nos faz sentir vivos. Desde que nascemos abrimos os olhos para esta enorme coisa que temos à frente, a vida.  pp175
 
 

Wook.pt - Por Acaso - Casos de Vida, Casos de Morte

 

 

Título: Por Acaso - Casos de Vida, Casos de Morte

Autor:  Lara Morgado

ISBN: 9789897020407

Edição ou reimpressão: 01-2012

Editor: Editora Guerra & Paz

Idioma: Português

Encadernação: Capa mole

Páginas: 187

 
 
 
 
Sinopse

Um homem entra no consultório de uma psicóloga e diz-lhe: «Venho despedir-me. Hoje vou suicidar-me!» E se não fosse ficção. Se fosse a pura realidade. Neste livro, a psicóloga Lara Morgado centra-se em quatro casos de vida ou de morte.

Quatro casos reais:

Uma jovem é abandonada pelo namorado na semana do casamento. Um talentoso estudante tem um acidente e fica paraplégico. Um casal à espera do primeiro filho descobre que o bebé está morto na barriga da mãe. Uma mãe de família com dois filhos, logo a seguir à morte do marido, é despedida.

O que dizem e o que se pode dizer a estas pessoas em sofrimento? Qual a chave para resistir aos terríveis acasos da vida? Deus? A palavra do especialista? A força interior de cada um de nós?

Por Acaso - Casos de Vida, Casos de Morte é um livro surpreendente: nasce da vida, destes casos de vida, e mostra-nos que a doença e a cura estão na própria vida. Na vida e nas mãos de cada leitor.

«Vamos fazer um último jogo os dois. Se ganhar, continua o seu plano de acabar com a sua vida e eu estarei no seu funeral; se perder, terá que continuar vivo.

Viver com Alzheimer de Jose Luis Molinuevo (Opinião)

Milheiras, 21.09.16

A minha opinião:

Este livro é fantástico, escrito por um médico com uma linguagem simples acessível, desmistifica muito a doença de Alzheimer, toda a gente devia ler este livro mesmo que não tenho relação com nenhum doente. Também a mim me fez compreender a doença, claro que despertou a minha curiosidade em ler outros livros com perspectivas diferentes sobre o tema. Mas sem dúvida que é um livro ao qual vou recorrer muitas vezes.

 

Excerto:

" Como mencionámos previamente, a memória episódica (recente) costuma ser afectada numa fase inicial, enquanto a memória longo prazo (remota) se conserva até fases mais avançadas da doença. Em fases mais avançadas da doença surgem outros sintomas, como a dificuldade de orientação em lugares familiares, os problemas como manuseamento de dinheiro ou de instrumentos domésticos como o telefone ou a máquina de lavar roupa, a dificuldade em ler e escrever ou em reconhecer caras familiares. Estes sintomas reflectem a afectação de outros domínios cognitivos, como a orientação, a capacidade motora, a linguagem e o reconhecimento. " pp17

 

" Primeiro são as actividades mais complexas, como as relações sociais ou a actividade laboral, que se vêem afectadas, e depois seguem-se as actividades instrumentais, como o manuseamento de objectos domésticos, de dinheiro, de utensílios de cozinha e da lida doméstica. Finalmente, são as actividades básicas do quotidiano  ser afectadas, como a higiene, o vestir, a alimentação e o controlo dos esfíncteres. "pp18

 

"Um exemplo de memória implícita é a aprendizagem das habilidades motoras: por exemplo, andar de bicicleta. (...) Esta memória não costuma a ser afectada pelo Alzheimer, (...)." pp 20

 

"Apesar de, em 90 porcento dos casos, o Alzheimer se manifestar inicialmente com um problema de memória, existem outros padrões menos conhecidos e habituai. Há pessoas, por exemplo, que vã perdendo a visão. Nestes casos, a experiência da cuidadora costuma ser desconcertante quando conhece o diagnóstico, visto habitualmente é preciso cumprir uma longa peregrinação por oculista, oftalmologistas até chegar ao neurologista que finalmente diagnostica aquilo que tecnicamente se designa como atrofia cortical posterior, afectação fundamental das áreas posteriores da região parietal-occipital que também é uma manifestação da doença." pp 23

 

" A mente refugia-se num sistema confortável que nos faz sentir eternos, que nos faz esquecer os aspectos relacionados com a morte e a fragilidade da nossa existência. Isto tranquiliza-nos e faz-nos pensar que temos tempo para fazer tudo aquilo que queremos fazer. Mas o que a realidade nos diz, por seu lado, é algo radicalmente diferente: se estamos convictos e queremos algo na vida, temos de o fazer já, porque a única coisa que temos é  presente." pp 35

 

" O amor que estamos a falar é o amor de entrega incondicional, de entrega pura, de entrega inerente ao ser humano, um amor que nos faz sentir que somos todos o mesmo. Assim, este é o amor que está sempre presente e , de facto, se nos relaxarmos e aceitarmos naturalmente o processo, o amor flui. Os pacientes serão sempre capazes de detectar as pessoas que lhe são queridas, mesmo em fases em que tenham perdido completamente a capacidade de reconhecer quem são. Aliás, podem mesmo não saber concretamente de quem se trata, mas sentem que essa pessoa lhes é próxima, querida e amada. Esse amor pode manifestar-se simplesmente através do olhar."pp 126

 

Título: Viver com Alzheimer
O amor não se esquece
Autor: Jose Luis Molinuevo

 

Edição/reimpressão:
Páginas: 168
Editor: Pergaminho
ISBN: 9789896871895

 

Sinopse

Este livro destina-se a servir de apoio a todas as pessoas que têm a seu cuidado familiares ou entes queridos que padecem da doença de Alzheimer. Ou seja, é uma obra destinada a todos aqueles que estão a viver um «luto em vida»: um luto, devido à sensação constante de perda que a progressão da doença causa; e «vivo» porque implica cuidar de uma pessoa que está em constante mudança.
A relação entre o paciente e o prestador de cuidados é sempre complexa e de difícil equilíbrio; quando o prestador de cuidados é um familiar, esta complexidade torna-se ainda maior. Viver com Alzheimer ajuda a compreender esta dinâmica e a criar uma relação mais equilibrada, potenciando as vantagens da intimidade criada entre ambos e ajudando a proteger a sua vulnerabilidade.
Ao longo destas páginas, encontrará esclarecimentos práticos e acessíveis acerca da natureza, da sintomatologia e da progressão da doença de Alzheimer. Este conhecimento permitir-lhe-á fazer uma gestão mais adequada das suas expectativas, comunicar de forma mais eficaz tanto com a pessoa afetada pela doença como com os restantes familiares ou amigos e, sobretudo, adquirir ferramentas para se adaptar da melhor maneira possível a uma realidade em constante mudança.

 

Terminei de de ler a 29-09-2015

O Flamingo da Asa Quebrada de Augusto Carlos

Milheiras, 26.10.14

O Flamingo da Asa Quebrada

 

 

Título: O Flamingo da Asa Quebrada
 Autor: Augusto Carlos
Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 125
Editor: Nova Vaga Editora
ISBN: 9789729979255

 

 

 

O Flamingo da Asa Quebrada e Outras Histórias é composto por várias histórias que visam contribuir para uma reflexão sobre o stresse, a vida agitada, a falta de tempo para a família, a fuga para a frente que tem caracterizado a conduta da Humanidade nos nossos dias.

Há que entender as leis da Natureza e dos animais, «conversar com uma flor ou saber por que é que este nosso amigo flamingo está triste, mesmo vivendo num jardim paradisíaco com um lago e outros pássaros lindos à volta».

A chave está na sua leitura.

 

Livro recomendado para o 7º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada - Grau de Dificuldade I.

É um livro para miúdos e graúdos, para todas as idades e todas as famílias.

O centenário que fugiu pela janela e desapareceu de Jonas Jonasson

Milheiras, 19.03.14

O centenário que fugiu pela janela e desapareceu

 

 

Bem, acabei de ler "O centenário que fugiu pela janela e desapareceu" um livro fantástico! Daqueles que vou querer ler outra vez, porque vai contando a história de vida de Alllan e ao mesmo tempo o que aconteceu depois de ele fugir pela janela. E neste tipo de livros eu só quero saber como acaba a história leio muito depressa e com certeza não dei a importância devida à história de vida, que fala de muitos momentos importantes do séc. XX. Por isso vou ter de voltar a ler qualquer dia....

Para mim o que mais me tocou neste livro é que a frase citada faz todo o sentido....

 

"(...) as coisas eram como eram e que o futuro seria como fosse."