Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

Ernestina de José Rentes de Carvalho

Milheiras, 09.06.21
Ernestina
 
Título:  Ernestina
Autor: José Rentes de Carvalho 
ISBN: 9789897221712
Editor: Quetzal Editores
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 233 x 21 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 320
 
 
Sinopse

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para a Formação de Adultos, como sugestão de leitura.

Ernestina é mais do que um romance autobiográfico ou um volume de memórias de famílias ficcionadas. É um fresco de Trás-os-Montes, dos anos 1930 aos anos 1950, uma obra que transcende o relato regionalista e que transpôs fronteiras, transformando-se num fenómeno editorial na Holanda.
Ernestina é também o nome da mãe do autor e da intrépida protagonista deste livro. Sobre ela J. Rentes de Carvalho disse: «Mãe de um só filho, a sua vida, que foi de uma tristeza, amargura e terrível solidão, dava um livro. Escrevi-lho eu. E a sua morte quebra o último elo carnal que me ligava à terra onde nasci. Felizmente são ainda muitos os laços que a ela me prendem.»

 
 

Pão de Açúcar de Afonso Reis Cabral

Milheiras, 05.06.21
Pão de Açúcar
 
Título: Pão de Açúcar
Autor:  Afonso Reis Cabral 
ISBN: 9789722065993
Editor: Dom Quixote
Idioma: Português
Dimensões: 153 x 232 x 18 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 264
 
 
Sinopse

Em Fevereiro de 2006, os Bombeiros Sapadores do Porto resgataram do poço de um prédio abandonado um corpo com marcas de agressões e nu da cintura para baixo. A vítima, que estava doente e se refugiara naquela cave, fora espancada ao longo de vários dias por um grupo de adolescentes, alguns dos quais tinham apenas doze anos.

Rafa encontrara o local numa das suas habituais investidas às zonas sujas, e aquela espécie de barraca despertou-lhe imediatamente o interesse. Depois, dividido entre a atracção e a repulsa, perguntou-se se deveria guardar o segredo só para si ou partilhá-lo com os amigos. Mas que valor tem um tesouro que não pode ser mostrado?

Romance vertiginoso sobre um caso verídico que abalou o País, fascinante incursão nas vidas de uma vítima e dos seus agressores, Pão de Açúcar é uma combinação magistral de factos e ficção, com personagens reais e imaginárias meticulosamente desenhadas, que vem confirmar o talento e a maturidade literária de Afonso Reis Cabral.

 

O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler

Milheiras, 02.06.21
O Último Cabalista de Lisboa
 
Título: O Último Cabalista de Lisboa
Autor:  Richard Zimler 
ISBN: 978-972-0-04491-4
Edição/Reimpressão: 01-2020
Editor: Porto Editora
Idioma: Português
Dimensões: 152 x 235 x 24 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 352
 
 
Sinopse

Em abril de 1506, durante as celebrações da Páscoa, cerca de dois mil cristãos-novos foram mortos num pogrom em Lisboa e os seus corpos queimados no Rossio. Reinava então D. Manuel, o Venturoso, e os frades incitavam o povo à matança, acusando os cristãos-novos de serem a causa da fome e da peste que flagelavam a cidade.

Berequias, sobrinho e discípulo de Abraão Zarco - iluminador e membro respeitado da célebre escola cabalística de Lisboa -, vai encontrar o tio e uma jovem desconhecida mortos na cave que servia de templo secreto desde que a sinagoga fora encerrada pelos cristãos-velhos. Um valioso manuscrito iluminado também desapareceu do seu esconderijo. Estarão os dois incidentes relacionados? Terá sido um cristão ou um judeu, como os indícios fazem crer, a assassinar o tio? Quem será a rapariga morta?

Publicado originalmente em Portugal, O Último Cabalista de Lisboa é um extraordinário romance histórico, que catapultou o seu autor para um sucesso internacional, tendo sido publicado em toda a Europa, nos Estados Unidos e Brasil, onde depressa se tornou um bestseller.

 

Xogum - O Senhor do Japão de João Paulo Oliveira e Costa

Milheiras, 18.05.21
Xogum - O Senhor do Japão
 
Título: Xogum - O Senhor do Japão
Autor:  João Paulo Oliveira e Costa 
ISBN: 9789896444846
Editor: Temas e Debates
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 233 x 32 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 540
 
 
Sinopse

Entre 1590 e 1600 completou-se a unificação do Império Nipónico. Ieyasu, o jogador, vai dominando o Japão tal como se ganha um jogo de go. Nesta década em que a guerra baixou de tom e em que tudo estava em aberto, o Cristianismo continuava a propagar-se pelo Japão apesar da rivalidade entre portugueses e castelhanos. Pedro e Ana predominam em Nagasáqui; os seus filhos crescem e começam a ganhar o mundo, tal como os filhos de Flávia, a bela romana. O irmão, Giuseppe, prossegue seus negócios com o auxílio de Manuol, o mirandês da ilha de Moçambique, enquanto Carlos, o samurai negro, e Ana continuam a lutar contra a paixão que sentem desde que se conheceram e quando ela afinal escolheu Pedro. Catarina, por sua vez, não esqueceu Pedro, nem Flávia e Giovanna esqueceram Roberto.

Missionários, generais e navegadores, alcaides e pastores, bandidos e soldados, mais esbirros da Inquisição e mártires japoneses, ou mercadores de Macau e vendedores de relíquias cruzam-se a cada passo com os protagonistas que deambulam pelo mundo, do Japão a Jerusalém e a Roma, ou dos Açores à Índia e à China. E em Miranda do Douro um bispo torna-se santo, as bruxas bailam ao vento e há um mistério por resolver.

 
 

O Samurai Negro de João Paulo Oliveira e Costa

Milheiras, 15.05.21
O Samurai Negro
 
Título: O Samurai Negro
Autor: João Paulo Oliveira e Costa 
ISBN: 9789896443962
Editor: Temas e Debates
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 234 x 32 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 472
 
Sinopse

Com O Samurai Negro, o autor dá início a uma trilogia de romances históricos com o mesmo nome que terá Xogum e Chamas de Nagasáqui como volumes seguintes. Esta é a história de Carlos, um príncipe do Congo, de Pedro, um luso-brasileiro, e de Ana, uma japonesa. Os dois amigos encontram no Japão do século XVI uma civilização diferente, literalmente às avessas, mas que os atrai, especialmente por causa de Ana. Por Nagasáqui correm negócios de todo o mundo, e os jesuítas espalham a religião cristã, sob o olhar apreensivo de Roma, que envia Giuseppe, para decidir o destino do cristianismo no Japão. Piratas cruéis, mercadores gananciosos, mulheres enigmáticas, samurais disciplinados, missionários e espiões, grandes generais e poderosos senhores feudais cruzam-se com crentes de todas as religiões. Vivem-se paixões intensas, ambições e ciúmes, e desejos de vingança numa história que pressente o novo mundo global, que neste caso liga Roma, Lisboa, Pernambuco, o Congo, Goa e Cochim, o Sul da China e todo o Japão.

 

O Homem que não Tinha Idade de Fernando Correia

Milheiras, 26.02.21
O Homem que não Tinha Idade
 
Título: O Homem que não Tinha Idade
Autor:  Fernando Correia 
ISBN: 9789897021961
Edição: 04-2016
Editor: Editora Guerra & Paz
Idioma: Português
Dimensões: 152 x 229 x 12 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 144
 
Sinopse

João, o herói deste livro, pode ser velho e pode ser viúvo. Mas João não quer ser abandonado num depósito de trapos e sombras. João quer ter direito a uma vida livre, quer ter direito a amar e ser amado, quer fazer coisas e ser útil com as próprias mãos.

 
 

Angola: As Ricas-Donas de Isabel Valadão

Milheiras, 18.02.21
Angola: As Ricas-Donas
 
Título: Angola: As Ricas-Donas
Autor:  Isabel Valadão 
Livro de Bolso
ISBN: 9789722537452
Ano de edição ou reimpressão: 03-2019
Editor: 11 X 17
Idioma: Português
Dimensões: 109 x 168 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 456
 
 

Desde o século XVII, três constantes marcaram a história de Loanda: o tráfico transatlântico da escravatura, a deportação ou degredo de criminosos para Angola e a superioridade das famílias crioulas, ou lusodescendentes, às quais pertenciam as Ricas-Donas, e que eram praticamente as únicas detentoras daquele monopólio do tráfico de escravos.

As histórias destas mulheres entretecem-se com a história da cidade de Loanda e aqui desembocam neste romance que reinventa situações e acontecimentos que se convertem naquilo que teriam sido as suas vidas.

 
 
 

Onde Vais Isabel? de Maria Helena Ventura

Milheiras, 16.02.21
Onde Vais Isabel?
 
Título: Onde Vais Isabel?
Autor:  Maria Helena Ventura 
Livro de Bolso
ISBN: 9789896371609
Ano de edição ou reimpressão: 01-2010
Editor: 11 X 17
Idioma: Português
Dimensões: 109 x 168 x 19 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 400
 
 
 

Nascida em Espanha, descendente de santos, reis e imperadores, Isabel chegou muito jovem a Portugal para casar com D. Dinis, rei culto, homem formoso, trovador invejável. No seu séquito traz damas de companhia e um importante segredo. Um segredo com origem na Ordem do Templo e cujo destinatário é D. Dinis. Quando mais tarde o rei de França manipula monarcas e papas para a cruel e violenta extinção dos templários, logo percebemos de onde veio a sageza de D. Dinis ao acolher os monges foragidos, albergar os seus tesouros e esconder os seus conhecimentos.

Mas nem só de glória se cobre a vida de Isabel. As aventuras extraconjugais do rei português humilham-na profundamente, apesar de também aí a rainha se mostrar magnânima, criando com igual afecto os seus filhos e os bastardos de D. Dinis. É entre intrigas, ciúmes, infidelidades, rivalidades, adultérios e arrependimentos, que a vida da rainha santa Isabel se transforma no drama de uma heroína da santidade feita de amor, perdão, lágrimas escondidas e silêncio magnânimo.

Filipe L. S. Monteiro

Milheiras, 02.08.20

Apresentação

 

Filipe L. S. Monteiro é licenciado em Química Analítica pela Universidade de Aveiro desde 1988,  durante mais de vinte anos desenvolveu a sua atividade profissional na indústria, onde exerceu várias funções (área de Controlo da Qualidade, Direção de Produção, Desenvolvimento de Novos Produtos e Tecnologias e apoio na Certificação da Qualidade e Ambiente da empresa).

Em finais de 2009 trocou essa atividade por outras paixões: o ilusionismo, a promoção e divulgação da ciência, e a escrita.

Escreveu e lançou um primeiro romance, “O Segredo dos Candeeiros”, com apresentação pública em janeiro de 2014, e que, na sua segunda edição, viu alterado o nome para  "O Segredo da Serra dos Candeeiros", mais adequado à área onde parte da ação decorre.

O seu primeiro livro infantil, "O Menino que Sonhava Salvar o Mundo”, foi lançado em novembro de 2011.

Tendo apresentado o livro infantojuvenil “Mestre Carbono, o Cientista”, em janeiro de 2015, livro em destaque na revista da Sociedade Portuguesa de Química na sua edição do primeiro trimestre deste mesmo ano. Entretanto, em 2017, foi aprovado pelo Plano Nacional de Leitura, sendo recomendado como livro de apoio aos 3.º, 4.º, 5.º e 6.ºs anos, na vertente de Apoio a Projetos de Temas Científicos.

Em novembro de 2017, lançou o seu terceiro livro infantojuvenil, “O Brinquedo que Estava Esquecido”, com a chancela de uma nova editora.

Concluiu já um segundo romance, “Os Livros da Droga”, estando atualmente a trabalhar várias ideias para novas obras romanceadas e um livro sobre uma experiência de vida na primeira pessoa.

Filipe L. S. Monteiro tem vindo a fazer a apresentação dos seus livros um pouco por todo o país. Aliando as suas paixões pelo ilusionismo, usa essas qualidades para reunir num mesmo momento as duas vertentes: ao mesmo tempo que apresenta as suas histórias, faz uso da sua “arte da ilusão” para, com alguns truques, cativar ainda mais o público presente.

 

 

Portugal, a Flor e a Foice de José Rentes de Carvalho

Milheiras, 23.06.20
Portugal, a Flor e a Foice
 
Título: Portugal, a Flor e a Foice
Autor: José Rentes de Carvalho 
ISBN: 9789897221460
Edição ou reimpressão: 03-2014
Editor: Quetzal Editores
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 232 x 17 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 240
 
Sinopse

No ano em que se comemora o 40.º aniversário da Revolução dos Cravos, a publicação de Portugal, a Flor e a Foice, até aqui inédito em Portugal, promete dar que falar.
Escrito em 1975, em cima dos acontecimentos que então convulsionavam Portugal (e que eram acompanhados com entusiasmo e apreensão pela Europa e o resto do Mundo), Portugal, a Flor e a Foice é a observação pessoal que um português culto e estrangeirado faz do seu país em mudança.
Nesta apreciação aguda e de tom sempre crítico, todos os mitos da História Portuguesa são, senão destruídos, pelo menos questionados: o Sebastianismo, os Descobrimentos, Fátima; denunciadas instituições como a Monarquia e a Igreja; e impiedosamente escalpelizado não apenas o antigo regime mas também, e sobretudo, o 25 de Abril. Com acesso a círculos restritos nos anos que antecederam e sucederam a Abril de 1974, e a documentos ainda hoje classificados, J. Rentes de Carvalho faz uma História alternativa da Revolução e das suas figuras de proa, em que novos factos e relações de poder se conjugam num relato sui generis, revelador e, no mínimo, desconcertante.