Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

Viriato de Teófilo Braga

Milheiras, 08.07.21
Viriato
 
Título: Viriato
Autor: Teófilo Braga 
ISBN: 9789899506336
Editor: Fronteira do Caos
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 223 x 18 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 208
 
Sinopse

Soberbo pela sua simplicidade, excepcional na dinâmica literária e encantador pela história que nos descreve.
Teófilo Braga, um dos mais ilustres homens da cultura portuguesa consegue seduzir-nos com a sua narrativa, acerca de uma figura mítica da portugalidade. Ao mesmo tempo caracteriza de forma magistral os vícios e virtudes da alma lusitana, repleta de contradições, mas sempre autêntica perante as causas sublimes da liberdade e da independência do solo pátrio.
Em Viriato o leitor irá igualmente confrontar-se com o eterno dilema que atormenta as gentes lusas: a tenacidade e o espírito de sacrifício da esmagadora maioria da população, perante uma causa e um líder dignos de confiança, em inalterável desafio com fraqueza, a inveja e a ambição desmedida de alguns diante dos mitos e das falsas promessas.

O Império dos Pardais de João Paulo Oliveira e Costa

Milheiras, 03.07.21
O Império dos Pardais
 
Título: O Império dos Pardais
Autor: João Paulo Oliveira e Costa 
ISBN: 9789896441180
Editor: Temas e Debates
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 233 x 30 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 520
 
 
Sinopse

Um romance histórico que tem como pano de fundo a afirmação do Império Português, o império dos pardais, durante o reinado de D. Manuel I e se centra em torno de cinco personagens principais que se movem dentro da lógica do mundo da espionagem. A personagem central é uma espia excepcional que pensa abandonar uma vida dedicada à violência e à satisfação de instintos primários, em que fora forçada a entrar, para recuperar uma vida social normal ao lado de um artista talentoso, apaixonado e ingénuo. A sua luta interior (contra hábitos sedimentados por quinze anos de isolamento, de rancor, de secretismo e de memórias perturbadoras) e o seu esforço para se libertar dos seus antigos mandantes percorrem toda a narrativa. A vida desta mulher cruza-se com a de dois supostos responsáveis pelos serviços secretos de D. Manuel I e amigos pessoais do rei. Ao acompanhar os encontros e desencontros, o leitor vive as cores, os aromas e os quotidianos de um tempo extraordinário em várias cidades e portos por onde vão passando e vivendo as personagens deste romance, que homenageia um povo e um rei.

 

Ernestina de José Rentes de Carvalho

Milheiras, 09.06.21
Ernestina
 
Título:  Ernestina
Autor: José Rentes de Carvalho 
ISBN: 9789897221712
Editor: Quetzal Editores
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 233 x 21 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 320
 
 
Sinopse

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para a Formação de Adultos, como sugestão de leitura.

Ernestina é mais do que um romance autobiográfico ou um volume de memórias de famílias ficcionadas. É um fresco de Trás-os-Montes, dos anos 1930 aos anos 1950, uma obra que transcende o relato regionalista e que transpôs fronteiras, transformando-se num fenómeno editorial na Holanda.
Ernestina é também o nome da mãe do autor e da intrépida protagonista deste livro. Sobre ela J. Rentes de Carvalho disse: «Mãe de um só filho, a sua vida, que foi de uma tristeza, amargura e terrível solidão, dava um livro. Escrevi-lho eu. E a sua morte quebra o último elo carnal que me ligava à terra onde nasci. Felizmente são ainda muitos os laços que a ela me prendem.»

 
 

Pão de Açúcar de Afonso Reis Cabral

Milheiras, 05.06.21
Pão de Açúcar
 
Título: Pão de Açúcar
Autor:  Afonso Reis Cabral 
ISBN: 9789722065993
Editor: Dom Quixote
Idioma: Português
Dimensões: 153 x 232 x 18 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 264
 
 
Sinopse

Em Fevereiro de 2006, os Bombeiros Sapadores do Porto resgataram do poço de um prédio abandonado um corpo com marcas de agressões e nu da cintura para baixo. A vítima, que estava doente e se refugiara naquela cave, fora espancada ao longo de vários dias por um grupo de adolescentes, alguns dos quais tinham apenas doze anos.

Rafa encontrara o local numa das suas habituais investidas às zonas sujas, e aquela espécie de barraca despertou-lhe imediatamente o interesse. Depois, dividido entre a atracção e a repulsa, perguntou-se se deveria guardar o segredo só para si ou partilhá-lo com os amigos. Mas que valor tem um tesouro que não pode ser mostrado?

Romance vertiginoso sobre um caso verídico que abalou o País, fascinante incursão nas vidas de uma vítima e dos seus agressores, Pão de Açúcar é uma combinação magistral de factos e ficção, com personagens reais e imaginárias meticulosamente desenhadas, que vem confirmar o talento e a maturidade literária de Afonso Reis Cabral.

 

O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler

Milheiras, 02.06.21
O Último Cabalista de Lisboa
 
Título: O Último Cabalista de Lisboa
Autor:  Richard Zimler 
ISBN: 978-972-0-04491-4
Edição/Reimpressão: 01-2020
Editor: Porto Editora
Idioma: Português
Dimensões: 152 x 235 x 24 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 352
 
 
Sinopse

Em abril de 1506, durante as celebrações da Páscoa, cerca de dois mil cristãos-novos foram mortos num pogrom em Lisboa e os seus corpos queimados no Rossio. Reinava então D. Manuel, o Venturoso, e os frades incitavam o povo à matança, acusando os cristãos-novos de serem a causa da fome e da peste que flagelavam a cidade.

Berequias, sobrinho e discípulo de Abraão Zarco - iluminador e membro respeitado da célebre escola cabalística de Lisboa -, vai encontrar o tio e uma jovem desconhecida mortos na cave que servia de templo secreto desde que a sinagoga fora encerrada pelos cristãos-velhos. Um valioso manuscrito iluminado também desapareceu do seu esconderijo. Estarão os dois incidentes relacionados? Terá sido um cristão ou um judeu, como os indícios fazem crer, a assassinar o tio? Quem será a rapariga morta?

Publicado originalmente em Portugal, O Último Cabalista de Lisboa é um extraordinário romance histórico, que catapultou o seu autor para um sucesso internacional, tendo sido publicado em toda a Europa, nos Estados Unidos e Brasil, onde depressa se tornou um bestseller.

 

As Promessas de Conceição Piçarra Vintém (Opinião)

Milheiras, 25.05.21
As Promessas
Título: As Promessas
Autor: Conceição Piçarra Vintém 
ISBN: 9789898724793
Edição: 11-2015
Editor: Lua de Marfim
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 218 x 7 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 104
 
Início da Leitura: 25 de Março 2021
 
Terminus: 15 de Abril 2021
 
Opinião:

Um livro com uma linguagem muito simples, mas com uma história profunda que vale a pena ler. Um testemunho quase fiel de uma cultura de outros tempos, não assim tão distantes dos nossos...

 

A Dama do Quimono Branco de João Paulo Oliveira e Costa

Milheiras, 21.05.21
A Dama do Quimono Branco
 
Título: A Dama do Quimono Branco
Autor: João Paulo Oliveira e Costa 
ISBN: 9789896445621
Editor: Temas e Debates
Idioma: Português
Dimensões: 148 x 234 x 31 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 528
 
 
Sinopse

A saga dos Fonsecas de Nagasáqui e dos Vicenzo de Roma conclui-se nesta obra que encerra a Trilogia do Samurai Negro. A cristandade japonesa caminha para o seu destino fatal, enquanto do outro lado do mundo, o Brasil vai-se afirmando como uma terra do futuro, promissora para os colonos, e, nesse primeiro tempo, sobretudo para os que têm a sabedoria de se entenderem com os indígenas.

Nessas terras onde o Sol nunca se põe, os mestiços têm um papel fundamental na sedimentação do poder da Coroa e da Igreja, e os Fonsecas e Vicenzo percebem que em Lisboa os mestiços serão sempre subalternizados e ostracizados, mesmo sendo endinheirados.

Enquanto o tempo passa, um biombo vai sendo composto; uma mulher morta continua a despertar sentimentos de sensualidade nos homens que com ela privaram; um navio explode com estrondo; um imperador foge do palácio; a crueldade é vingada com uma crueza ainda maior, mas também há quem consiga amar e ser feliz e há um peregrino que descobre finalmente o seu lugar no mundo, sempre inspirado pela dama do quimono branco.

«Esta é uma história cujas personagens se espalham pelo mundo já globalizado do início do século xvii e que foi sendo escrita enquanto eu próprio circulava pelo mundo ganhando inspiração no contacto com a diversidade de gentes, paisagens e ambientes que preenchem este nosso maravilhoso planeta.»

 
 
 
 
 

Xogum - O Senhor do Japão de João Paulo Oliveira e Costa

Milheiras, 18.05.21
Xogum - O Senhor do Japão
 
Título: Xogum - O Senhor do Japão
Autor:  João Paulo Oliveira e Costa 
ISBN: 9789896444846
Editor: Temas e Debates
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 233 x 32 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 540
 
 
Sinopse

Entre 1590 e 1600 completou-se a unificação do Império Nipónico. Ieyasu, o jogador, vai dominando o Japão tal como se ganha um jogo de go. Nesta década em que a guerra baixou de tom e em que tudo estava em aberto, o Cristianismo continuava a propagar-se pelo Japão apesar da rivalidade entre portugueses e castelhanos. Pedro e Ana predominam em Nagasáqui; os seus filhos crescem e começam a ganhar o mundo, tal como os filhos de Flávia, a bela romana. O irmão, Giuseppe, prossegue seus negócios com o auxílio de Manuol, o mirandês da ilha de Moçambique, enquanto Carlos, o samurai negro, e Ana continuam a lutar contra a paixão que sentem desde que se conheceram e quando ela afinal escolheu Pedro. Catarina, por sua vez, não esqueceu Pedro, nem Flávia e Giovanna esqueceram Roberto.

Missionários, generais e navegadores, alcaides e pastores, bandidos e soldados, mais esbirros da Inquisição e mártires japoneses, ou mercadores de Macau e vendedores de relíquias cruzam-se a cada passo com os protagonistas que deambulam pelo mundo, do Japão a Jerusalém e a Roma, ou dos Açores à Índia e à China. E em Miranda do Douro um bispo torna-se santo, as bruxas bailam ao vento e há um mistério por resolver.

 
 

O Samurai Negro de João Paulo Oliveira e Costa

Milheiras, 15.05.21
O Samurai Negro
 
Título: O Samurai Negro
Autor: João Paulo Oliveira e Costa 
ISBN: 9789896443962
Editor: Temas e Debates
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 234 x 32 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 472
 
Sinopse

Com O Samurai Negro, o autor dá início a uma trilogia de romances históricos com o mesmo nome que terá Xogum e Chamas de Nagasáqui como volumes seguintes. Esta é a história de Carlos, um príncipe do Congo, de Pedro, um luso-brasileiro, e de Ana, uma japonesa. Os dois amigos encontram no Japão do século XVI uma civilização diferente, literalmente às avessas, mas que os atrai, especialmente por causa de Ana. Por Nagasáqui correm negócios de todo o mundo, e os jesuítas espalham a religião cristã, sob o olhar apreensivo de Roma, que envia Giuseppe, para decidir o destino do cristianismo no Japão. Piratas cruéis, mercadores gananciosos, mulheres enigmáticas, samurais disciplinados, missionários e espiões, grandes generais e poderosos senhores feudais cruzam-se com crentes de todas as religiões. Vivem-se paixões intensas, ambições e ciúmes, e desejos de vingança numa história que pressente o novo mundo global, que neste caso liga Roma, Lisboa, Pernambuco, o Congo, Goa e Cochim, o Sul da China e todo o Japão.

 

Esteiros de Soeiro Pereira Gomes

Milheiras, 13.05.21
Esteiros
 
Título: Esteiros
Autor: Soeiro Pereira Gomes 
ISBN: 9789897227219
Edição/Reimpressão: 03-2021
Editor: Quetzal
Editores Idioma: Português
Dimensões: 147 x 215 x 23 mm
Encadernação: Capa dura
Páginas: 256
 
Sinopse

Passam, em 2021, oitenta anos sobre a primeira edição de Esteiros, de 1941 (com capa original de Álvaro Cunhal) - um livro que marcou várias gerações de leitores ao mostrar-lhes personagens que ficaram para sempre na nossa recordação, «os filhos dos homens que nunca foram meninos» (é essa a dedicatória a abrir o romance): Gaitinhas, Guedelhas, Gineto, Maquineta e Saguí. São eles os heróis anónimos de um diálogo entre o humano e a Natureza, a denúncia da injustiça e a busca de redenção, a solidariedade e a denúncia da pobreza e da penúria.

O romance, uma das referências mais emblemáticas do movimento neorrealista português, foi de leitura obrigatória nas escolas secundárias portuguesas durante duas décadas. É hoje um livro quase esquecido. No entanto, graças à sua ingenuidade, bravura e simplicidade, Esteiros é um documento marcante da história portuguesa do século xx - e deve ser relido para que não esqueçamos a fotografia amarga desses anos.