Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

O Cheiro dos Livros

Depois de ser uma aventura radiofónica resume-se agora a uma forma de manter a minha biblioteca pessoal organizada...

Levantado do Chão - José Saramago

 

 

Adorei!

 

Talvez por ter lido este depois de ter lido o Rio das Flores de Miguel Sousa Tavares, foi mágico! Ler Levantados do Chão foi compreender a dureza e as dificuldades de tempos passados. Existem pólos que se tocam e em extremos opostos e este enredo podia simplesmente cruzar-se com a nossa nos dias que correm.

A história da família "Mau-tempo", dura e cruel como são as vidas de quem trabalha e não tem tempo para mais, senão para arranjar dinheiro para por o pão na mesa. Faz-nos pensar e eu gosto de livros que me deixem a pensar...

 

Sinopse
 
"«A transformação social. A contestação. Personagens em diálogos. As cruentas desigualdades sociais. Surgem as perguntas proibidas. Vai-se adquirindo consciência e espaço, para que tudo se levante do chão. Um livro composto por 34 capítulos. No 17.º está a tortura e a morte de Germano Santos Vidigal. Germano, o nome que significa irmão, o homem da lança. Apesar de vencido, o sacrifício da sua vida indica o caminho. ""Já o encontraram. Levam-no dois guardas, para onde quer que nos voltemos não se vê outra coisa, levam-no da praça, à saída da porta do sector seis juntam-se mais dois, e agora parece mesmo de propósito, é tudo a subir, como se estivéssemos a ver uma fita sobre a vida de Cristo, lá em cima é o calvário, estes são os centuriões de bota rija e guerreiro suor, levam as lanças engatilhadas, está um calor de sufocar, alto. ""As mulheres são também chamadas à primeira linha das decisões neste belo romance de Saramago. O diálogo monossilábico entre marido e mulher da família Mau-Tempo vai-se alterando. Interessante observar uma narrativa que vai da submissão ao sentido de libertação, através de gerações.» (Diário de Notícias, 9 de Outubro de 1998)"